South America

China com Sun Tzu, na guerra dos chips

0

29/9/2020, Pepe Escobar, Asia Times

Indo direto ao ponto: com ou sem rolo compressor de sanções, a China simplesmente não será expulsa do mercado global de semicondutores.

A quantidade real de chips que a Huawei tem em estoque para suprir o próprio negócio de smartphones talvez até seja questão em aberto.

Mas o ponto mais importante é que nos próximos anos – lembrem que Made in China 2025 continua em vigor – os chineses estarão fabricando o equipamento necessário para produzir chips de 5 nanômetros tão bons ou até melhores que os que vêm hoje de Taiwan, Coreia do Sul e Japão.

Conversas com especialistas em TI da Rússia, dos países da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ing. ASEAN) e da Huawei revelam os contornos básicos do mapa do caminho à frente.

Esses especialistas explicam que o que poderia ser descrito como uma limitação da física quântica está impedindo a passagem consistente, de chips de 5 nanômetros para chips de 3 nanômetros. Significa dizer que as próximas descobertas podem vir de outros materiais e técnicas de semicondutores.

Portanto, quanto a esse aspecto, a China está praticamente no mesmo nível de pesquisa que Taiwan, Coréia do Sul e Japão.

Além disso, não há nenhuma lacuna de conhecimento – ou problema de comunicação – entre os engenheiros chineses e taiwaneses. E o modus operandi predominante ainda é a porta giratória.

Os avanços da China envolvem mudança crucial, do silício para o carbono. A pesquisa chinesa está totalmente investida nisso e está quase pronta para transpor o próprio trabalho de laboratório, para a produção industrial.

Em paralelo, os chineses estão atualizando o procedimento de fotolitografia, que os EUA privilegiam para obter chips nanométricos, para um novo procedimento de litografia não fotográfica, capaz de produzir chips menores e mais baratos.

Assim como as empresas chinesas, avançando, estarão comprando todas as etapas possíveis que apareçam no negócio de fabricação de chips, e custem o que custarem, também as principais empresas de semicondutores dos EUA farão o mesmo, como a Qualcomm, que não se sujeitará a sanções e continuará a fornecer chips para a Huawei. Esse já é o caso da Intel e da Advanced Micro Devices, Inc. (AMD).

O jogo de Huawei

A Huawei, por sua vez, está investindo em profundidade numa relação muito estreita de P&D com a Rússia, recrutando alguns dos melhores talentos tecnológicos da Rússia, notoriamente fortes em matemática, física e no trabalho de rigoroso projetamento. Exemplo disso é a compra pela Huawei da empresa russa de reconhecimento facial Vocord em 2019.

Alguns dos melhores cérebros tecnológicos da Coréia do Sul são russos.

A Huawei também estabeleceu – na Tailândia – um “centro de inovação de ecossistema 5G”, o primeiro de seu tipo em países da ASEAN [Indonésia, Malásia, Filipinas, Cingapura e Tailândia, desde 1967; Brunei, a partir de 1984; Vietnã desde 1985; Mianmar e Laos a partir de 1997 e Camboja desde 1999 (NTs)].

No médio prazo, a estratégia da Huawei para seus telefones inteligentes de alto padrão – que utilizam chips de 7nm – será entregar o negócio a outros atores chineses como Xiaomi, OPPO e VIVO, cobrar taxas de patente e esperar pelo inevitável chip chinês, enquanto mantém a produção de equipamentos 5G, para os quais tem chips suficientes.

Esses especialistas em TI consideram o sistema operacional Harmony da Huawei mais eficiente que o Android. E roda com chips menos exigentes.

Com a expansão do 5G, a maior parte do trabalho em telefones inteligentes pode ser feito por servidores em nuvem. Até o final de 2020, pelo menos 300 cidades em toda a China estarão cobertas pela 5G.

A Huawei se concentrará em produzir computadores desktop e displays digitais. Estes desktops virão com processador chinês, o Kunpeng 920, e serão executados por um Sistema Operacional Unificado (ing. Unified Operating System, UOS) chinês.

O UOS é um sistema Linux desenvolvido pela Union Tech chinesa e encomendado por Pequim – aqui está o busílis –para substituir o Microsoft Windows. Estes desktops não serão vendidos ao público em geral: equiparão a administração pública nacional e provinciais da China.

Não é de admirar o persistente rumor que se ouve nos círculos de TI, segundo o qual é hora de pôr dinheiro num Fundo de Investimento em Chip Chinês – para embolsar gordos ganhos quando acontecerem grandes avanços tecnológicos, antes de 2025.

O centro tech da Ásia Oriental

Quaisquer que sejam as provações e tribulações da guerra dos chips, a tendência inevitável é a China posicionada como centro tecnológico indispensável da Ásia Oriental – abrangendo países da ASEAN, o nordeste asiático e a Sibéria Oriental ligada às duas Coreias.

Este é o nodo duro da já próxima Parceria Econômica Regional Ampla, PERA (Regional Comprehensive Economic Partnership, RCEP) – o mais abrangente acordo de livre comércio no mundo – a ser assinado até 2021.

A Índia optou por se autoexcluir da PERA –, com o que se autocondenou a ter papel periférico, como potência econômica e em termos geoeconômicos. Basta compará-la à Coréia do Sul, que está impulsionando sua integração com a ASEAN e o nordeste asiático.

O núcleo tecnológico do Leste Asiático estará no coração de uma cadeia global de produção que integra o melhor da concepção científica e tecnológica e os melhores especialistas em produção espalhados por todos os nodos da cadeia de suprimento global.

Essa é consequência natural, dentre outros fatores, de o número de patentes requeridas no Leste Asiático já ter chegado a 3,46 vezes o número dos EUA.

E isso nos leva ao caso muito especial da Samsung. A empresa Samsung está aumentando seu esforço de P&D para, de fato, deixar para trás, o mais rapidamente possível, as tecnologias de marca norte-americana.

Quando o presidente Moon da Coréia do Sul superturbina seu apelo pelo fim oficial da Guerra da Coréia, o movimento deve ser visto em conjunto com a Samsung em vias de alcançar amplo acordo de cooperação tecnológica com Huawei.

Este movimento de pinça ilustra com perfeita clareza a independência da Coréia do Sul em relação ao abraço de urso dos EUA.

Não escapa à atenção da liderança em Pequim que a emergência da Coréia do Sul como ator geopolítico e geoeconômico cada vez mais forte na Ásia Oriental deve estar inextricavelmente ligada ao acesso da China à próxima geração de chips.

Portanto, um processo geopolítico e geoeconômico crucial a ser observado nos próximos anos é como Pequim progressivamente atrai Seul para sua área de influência, como espécie de potência tributária de alta tecnologia, enquanto aposta no futuro do que seria uma Federação Coreana.

A ideia tem sido discutida ano após ano, no mais alto nível, no Fórum Econômico Oriental em Vladivostok.

Wang Huiyao, do Centro para a China e a Globalização, sediado em Pequim, observa que China e Coréia do Sul, que já têm um acordo de livre comércio, “iniciarão a segunda fase de negociações para estabelecer novo mecanismo para a cooperação econômica China-Coreia do Sul, que se desenvolve rapidamente”.

O próximo passo – imensamente difícil – será criar-se um mecanismo de livre comércio China-Coreia do Sul. E depois, um mecanismo China-Japão-Coreia do Sul, mais próximo e interligado. A Parceria Econômica Regional Ampla, PERA (Regional Comprehensive Economic Partnership, RCEP) é apenas o primeiro passo. Até 2049 a viagem será longa. Mas todos sabem para que lado o vento sopra o vento.

QNavy
QNavy is a pool a 3 former Navy Officers, U.S. Navy & French Navy, who served proudly their countries, specialized in conflict analysis as per their respective skills & experience on Special Ops. #NavyVetUnited

POTUS: It’s about Time that Something happens! (Partially Transcribed by Kat)

Previous article

Unos 133 mil terroristas han sido liquidados en Siria, afirma ministro de Defensa de Rusia

Next article

You may also like

Comments

Comments are closed.